A Deusa Brigância no Culto Galaico

Brigância (Brigantia), Deusa Celta muito presente na nossa tradição Galaica, é a Alta, A Elevada, Senhora da Soberania, A Tríplice Chama, portadora da luz e Deusa do Fogo e da vitória. Tem três aspetos: como Fogo da Inspiração (patrona da poesia, artes, filosofia e profecia), como Fogo do Lar (patrona da medicina, fertilidade e das parteiras, de pastoras a agricultoras, protetora da casa) e como Fogo da Forja
(patrona da metalurgia, ferraria e artes marciais, grande guerreira). É patrona de todos estes aspetos e outros, como das alturas em geral (sejam montanhas, castros no alto ou pensamentos elevados), dos limiares, do gado e animais domésticos, assim como dos poços e fontes sagradas (tendo um pacto com Nábia). Todo o poder deve ser regulado por Brigantia. Ela não exerce essa Soberania diretamente, mas ordena sobre quem a recebe ou não, quem é digno ou digna de ser chamado “rei” ou “rainha”. Ela marca o sagrado pacto entre o Ser Humano e a Terra. Quem não respeitar isso não poderá nunca ser a/o melhor líder. Este é, seguramente, um dos motivos pelos quais muitos lugares da nossa Terra foram nomeados em sua honra.
Brigantia assegura a passagem entre o Inverno e a Primavera, numa colaboração com Cale A Velha, e garante a promessa do renascer feita no Solstício de Inverno. Ela é quem acorda os Deuses Bel (o seu ocasional consorte) e Lugo quando é chegado o momento.
No pan-celtismo considera-se filha de Larouco e Anu. Recebe o nome de Brigid na Irlanda, Brìde na Escócia e Brigindũ na Gália.
É celebrada na época do Solstício de Inverno – Noite Nai (21-25 de Dezembro) mas, principalmente, na sua grande festa do “Entroido” (Imbolc), por volta do 1 de Fevereiro.

Blessed Be my Lady

Leave a Comment